DANCE CONFORME A MUSICA

DANCE

Um grande vendedor não atende clientes da mesma forma toda vez, e sim, tem a capacidade de se adaptar às diferentes situações e ao estilo e ritmo de cada cliente.

 
Você não precisa se transformar cada vez que estiver conversando com um novo cliente, nem desenvolver múltiplas personalidades.
Entretanto, um cliente mais formal pode não responder muito bem a uma abordagem descontraída, assim como alguém descontraído talvez não goste de uma abordagem excessivamente formal.
 
Uma vez Harry Friedman, consultor de varejo mundialmente conhecido e fundador do The Friedman Group, estava ensinando um jovem vendedor a abrir a venda.
Ele o observou utilizando uma abordagem engraçada com um casal de uns 20 anos de idade.
Quando chegou a vez do jovem, ele usou a mesma abordagem com um casal de 60 anos.
Resultado: perdeu a venda. 
 
A questão não é julgar os clientes, mas observá-los e ouvi-los, para construir seu atendimento de forma a deixá-los à vontade.

ATITUDES FUNDAMENTAIS DOS CAMPEÕES DE VENDAS

Atitudes fundamentais dos campeões de vendas

atitudes campões.jpg
Uma empresa de vendas não sobrevive apenas com a participação de diretores e membros do alto escalão. Os vendedores, peças base e fundamentais da equipe, são absolutamente responsáveis pela mudança e realização das metas financeiras da empresa.
No entanto, será que profissionais que trabalham diretamente com o público estão preparados para os atuais desafios do mercado em plena má fase da economia?
Como todos sabem, aumentar as vendas, o faturamento e o lucro são alguns dos objetivos das empresas. Agora, em um período de crise, o desafio é ainda maior e ganha mais obstáculos, onde se destaca a diminuição do poder de compra de clientes e consumidores.
“Este profissional precisa ter uma atuação orientada para o mercado, na qual ele passa a agir como um consultor estratégico do cliente e está na linha de frente da construção de relacionamentos estáveis e duradouros com este público. Ele contribui fortemente para a coordenação das ações e controle dos resultados da empresa”, explica o Prof. Randes Enes, coach, consultor de empresas e professor da FGV.
Hoje em dia, no entanto, o vendedor pode contar com outras plataformas para incrementar as vendas, tal como a CRM – Customer Relationship Management, que ajuda a identificar grupos de clientes e consumidores e formatar o planejamento para os principais, tendo em vista os que são os clientes de maior potencial (CMP; e os que são os clientes de maior valor (CMV).
“O setor de vendas deve atuar integrado ao departamento de Marketing, para juntos analisarem as oportunidades e ameaças, e também com o telemarketing ou atendimento ao consumidor, que servem como termômetros para avaliar a satisfação”, completa o especialista.
Abaixo você confere seis atitudes fundamentais dos campeões de vendas, elaboradas pelo Prof. Randes:
Cortesia
A habilidade de fazer com que o cliente se sinta bem-vindo e respeitado, criando um clima ideal para vender.
Exclusividade
O grau de cuidado e atenção individual que o vendedor dedica aos clientes, transmitindo a percepção de atendimento exclusivo, motivando-os a retribuir com a compra.
Comprometimento
A capacidade de fornecer sempre o que foi prometido e com exatidão, transmitindo confiança e respeito profissional.
Competência
O conhecimento que o profissional demonstra ter para os clientes; e sua capacidade de transmitir confiança e credibilidade, possibilitando avançar que permitam vendas adicionais.
Solução rápida
A disposição em ajudar os clientes de imediato para aproveitar o impulso de compra e também na resolução de possíveis problemas.
Integridade
A habilidade de deixar claro para os clientes e consumidores, que eles podem contar e confiar no profissional, criando a condição para a fidelização.
Fonte: Administradores.com

Cliente em primeiro lugar? Você pode estar fazendo isso errado.

cliente-em-primeiro-lugar.jpg

Existe uma máxima defendida pela maioria das empresas: O cliente em primeiro lugar. Mas será que a maioria consegue fazer isso?

E mais, será que colocar o foco apenas neste aspecto é a solução?

Vejamos: estou longe de defender que o cliente não seja importante e, aliás, que não deva ser prioridade. A questão vai além. Passa pelo que significa colocar o cliente em primeiro lugar: significa antes de tudo valorizar as pessoas, valorizar as relações.

A maioria dos líderes solicita à sua equipe que atenda o cliente com excelência, que proporcione a ele a melhor experiência possível. Agora, qual é a experiência que o colaborador tem na empresa? A mesma excelência requisitada é entregue a cada um dos membros do time? Na maioria das vezes, não.

Então, na prática, o que se pede é que ele transmita uma cultura que ele não vivencia. Que ele transmita uma ideia. Não parece muito mais simples e coerente que apenas se espere que ele transmita algo que é uma prática?

Como criar essa cultura de excelência? Como trazer esta coerência entre o que se solicita e se pratica?

A primeira dica é: você sabe o que eles valorizam? O que esperam da empresa? Em que ambiente gostariam de trabalhar? Encontrar essas respostas pode fornecer pistas valiosas sobre a empresa que você deveria “criar”.

Outra dica: Qual é o propósito que a sua marca carrega? Ou seja, qual a sua razão perene para existir? Os colaboradores precisam perceber de fato o propósito. Não como uma frase na parede ou como um lema que se exalta, uma vez por ano, em uma convenção. O propósito precisa estar vivo, todos os dias. Em ações que o traduzam. Que mostrem de fato a razão pela qual a empresa faz o que faz e, por consequência, as pessoas que a representam devem agir como agem. É aí que ele se faz autêntico.

Uma empresa que tem um propósito bem definido preocupa-se não apenas com os clientes, mas com todos os que com ela estão envolvidos e de que forma ela influencia a sociedade na qual está inserida. E é com base nisso que digo que não há sentido em colocar o cliente no topo, se não se constrói um pilar forte que possa sustentar isso.

A relação entre os colaboradores e o propósito, valores e objetivos de uma empresa é o que mais fortemente irá definir o seu nível de engajamento. E é isso que determinará, em última análise, a energia que empregam em suas atividades.

Colaboradores engajados tendem a encarar os desafios com motivação, já que eles buscam a excelência. Já que buscam acertar, porque acreditam na importância da qualidade do serviço que prestam ou dos produtos que vendem. Isso está atrelado à satisfação pessoal, o que significa que ele sente bem desempenhando o seu papel, e, na maioria das vezes, diminui a necessidade de buscar novas oportunidades a todo o tempo.

É importante perceber que conquistar o engajamento dos colaboradores não significa que eles irão concordar com tudo o que ocorre no dia a dia da empresa. Significa sim, que eles decidem, dia após dia, agir para defender o propósito e as causas da empresa, mesmo sabendo que há o que melhorar nela.

Há muitos fatores que influenciam na conquista do engajamento da equipe. É assunto para um artigo inteiro. Para dar algumas pistas, um dos elementos mais fortes é a percepção dos colaboradores que podem crescer, que podem se desenvolver. Outra é o seu relacionamento com a liderança. Salário e benefícios são importantes, certamente. Só não tão mandatórios quanto se pensa, quando o assunto é engajamento.

A receita não é mágica, mas é aparentemente simples. Quer um atendimento que encante os clientes? O caminho mais eficaz e sustentável é criar uma empresa encantadora para os colaboradores. Onde a comunicação seja clara, todos saibam o que se espera deles e possuam as condições necessárias para entregar isso. E quando entregam, se desenvolvem, proporcionam o crescimento da empresa, crescem junto com ela e sentem-se valorizados.

Agora, aproveitando que o ano está começando… Se você pudesse escolher apenas uma resolução, escolheria buscar excelência para os clientes ou para os colaboradores? Certamente se trata de uma brincadeira. Não há de ser tão radical assim. Mas a reflexão é bastante válida, já que um não prospera sem o outro.

Gabriela Costa
Coordenadora de Redação da GS&Friedman
http://www.gsefriedman.com.br

Fonte: http://www.mercadoeconsumo.com.br/2018/01/05/cliente-em-primeiro-lugar-voce-pode-estar-fazendo-isso-errado/

ATENDA BEM, NÃO IMPORTA QUEM…

35480966_1876323079066342_9113006040365924352_n

ATENDA BEM, NÃO IMPORTA QUEM…

 
Muito se fala sobre atendimento ao cliente, existem cursos, palestras e vasta literatura a respeito do tal  BOM ATENDIMENTO AO CLIENTE
 
No meu ponto de vista, o bom atendimento não deve ser considerado um diferencial, pra mim atender bem ao cliente é no mínimo uma obrigação, assim como ser ético, transparente e honesto. O problema que tais comportamentos hoje em dia passaram a ser considerados VIRTUDES …acho isso meio que absurdo…o fato é que precisamos e necessitamos sim atender muito bem ao nosso cliente , afinal de contas é ELE que paga nosso salário e isso é óbvio, precisa ser devidamente dada a séria importância.
Mas e as outras pessoas que frequentam a nossa loja, nossa empresa?
Estamos igualmente tratando de dar um excelente atendimento? E estou falando das pessoas que nos pedem uma informação, que nos chegam para solicitar uma vaga de emprego…e por falar nisso quero aqui compartilhar uma experiencia fantástica que tive essa semana.
 
Meu celular tocou e eu estava finalizando a recepção de uma nova colaboradora e expliquei o fato a pessoa que me ligou, pedi só um instante que lhe atenderia logo em seguida e assim eu fiz…logo a pessoa do outro lado da linha me falou, é justamente sobre este seu trabalho com PESSOAS que eu estou entrando em contato, gostaria de saber se você pode nos conceder uma entrevista, sou da área de comunicação e quero publicar uma matéria a seu respeito e o trabalho que você faz.
 
Voces já podem imaginar o quanto fiquei emocionado…
E além da entrevista a moça me propôs outros projetos que ao longo dos acontecimento contarei pra vocês em outra oportunidade.
 
Mas o mais incrível ainda estava para acontecer…após a conversa e antes de nos despedirmos, claro convidei a jornalista para um cafezinho, falei da minha vontade de conhece-la …para minha surpresa ela disse sorrindo…Paulo eu já lhe conheço …quando cheguei de São Paulo a Belo Horizonte, estava desempregada e passei na sua loja procurando emprego…você me atendeu tão gentilmente e me encaminhou para o RH …na ocasião a coisa não deu certo, mas mesmo assim nunca mais me esqueci do seu jeito cordial e simpático, passei a te seguir no Linkedim e acompanho todo o seu trabalho e inclusive seu blog
o VIVO DE VENDAS que por sinal é fantástico…fiquei tremendo no momento e agradeci imensamente o carinho e reconhecimento…
 
É por isso que eu sempre disse em minhas palestras e reuniões com a equipe:
 
ATENDA BEM, NÃO IMPORTA QUEM !
 
Nunca sabemos quem está a nossa frente, seja cliente ou não, essa pessoa pode mudar a nossa vida, seja oferecendo uma nova oportunidade de trabalho, uma indicação, uma observação ou até uma entrevista para um grande jornal, uma palestra, entre outras coisas …
 
Pense nisso e boa reflexão!
 
Bora lá fazer o mínimo, sendo gentil com as pessoas…
Nada menos que isso nos interessa!
Deixe seu comentário no blog, sua opinião é muito importante pra nós que vivemos de vendas!
Obrigado e até a próxima!
by P.H
 
 

SOBRE FAZER A DIFERENÇA….

Fazer a diferença

SOBRE FAZER A DIFERENÇA….

Comecei a reunião hoje com este tema …

FAZER A DIFERENÇA!

Pra mim, as pessoas precisam viver a vida para fazer a diferença…e isso inclui em primeiro lugar fazer a diferença na vida delas mesmas …como é triste ver pessoas super capacitadas, (com 2 braços, duas pernas, visão e audição perfeita, língua pra falar e com boa saúde), ficar reclamando pelos cantos sobre a vida que leva…sobre como o destino tem sido cruel…blá blá blá …
Basta observar estas pessoas para compreender toda essa penúria….essas pessoas parecem ZUMBIS …nunca fazem nada por si mesmas…são preguiçosas…não fazem atividade física e reclamam que estão gordas…não estudam e reclamam que não tem oportunidade…não lutam por nada e reclamam que nunca vencem…e por aí vai…estas pessoas são incapazes de FAZER DIFERENTE …não sabem pensar DIFERENTE …não conseguem enxergar como isso é importante nas suas vidas…e assim …de lamento em lamento vão vivendo seus dias…sem fazer nada por elas mesmas…

O segundo objetivo deve ser FAZER A DIFERENÇA na vida das outras pessoas ..isso inclui caridade…compaixão…ajuda…mas acima de tudo…fazer a vida das pessoas que estão a nossa volta melhor…menos dolorosa…menos estressante…e mais interessante.

Mas aquele grupo de pessoas que nada fazem por si mesmas, adoram não fazer nada pelo o outro também…fingem de boazinhas, se fazem de boas amigas…mas nunca perdem uma oportunidade de prejudicar, de atrapalhar…de colocar sempre uma pedra no caminho de alguém…essa gente passa pela vida SEM FAZER A MÍNIMA DIFERENÇA nem pra elas nem pra ninguém!

%d blogueiros gostam disto: